Logo Cerva Nossa de Cada Dia

AS 10 MELHORES CERVEJAS QUE PROVEI EM 2015 29 de Março/2016



Se existem perguntas recorrentes relacionadas ao mundo das cervas artesanais, certamente esta é uma das principais: “Qual é a melhor cerveja do mundo?”

Como tenho mania de tentar simplificar tudo (nem sempre é possível, eu sei…), vou me dar o direito de não levar em consideração APENAS os sites de ranqueamento (ex: Brejas, RateBeer, BeerAdvocate…) ou os resultados dos diversos concursos que acontecem ao redor do mundo, e adotar uma resposta bem rápida: a melhor cerveja é aquela que te faz sentir ou lembrar de alguma coisa boa. 

Pode ser uma Lager bem gelada, produzida em grande escala, ou pode ser uma edição super limitada de uma Imperial Stout maturada em barris de “Carvalho Virgem dos Pirineus”,  brassada por um cervejeiro ambidestro…  Pra mim, o que importa é se determinada cerva te fez mais “feliz” ao lado de “alguém(s)” ou em algum momento/lugar específico. 

Tá! Beleza… Mas pra que tanto blá, blá, blá? A resposta é simples (novamente): pra listar aqui as 10 cervejas de que mais gostei em 2015.

E pra não ser injusto com cada uma delas, não tem ordem de preferência. Optei por organizar de maneira simples (“ôtravez”) e coloquei em ordem alfabética:

 

Blondine Volcano Coffee Stout

Estilo: Stout (7,5% ABV, 40 IBU)

País: Brasil

Nunca imaginei que uma garrafinha de 310 ml, aberta tão despretensiosamente, iria causar tamanha surpresa. Acho que é uma das cervejas com mais notas de café que já provei. Como também gosto muito de café, não é difícil entender por que ela está aqui.

 

Dum Petroleum

Estilo: Russian Imperial Stout (12% ABV, 90 IBUs)

País: Brasil

Paixão que virou amor (viiiiixe… mas tá é meloso isto aqui). Esta cerva é um absurdo de intensidade: sabor, amargor, álcool, torrado, café, chocolade, textura… Acho que vai ficar na lista das 10+ por algum tempo.

 

Emelisse Espresso Stout e Emelisse Imperial Russian Stout

Estilo: Ambas são Imperial Stouts com 9,5% e 11% ABV, respectivamente.

País: Holanda

Novamente muito café e chocolate fazendo as honras da casa.

Provei e compartilhei estes dois rótulos com minha esposa (sobe BG romântico) quando estávamos em Amsterdam, num bar bastante frequentado por amantes do líquido sagrado, chamado In De Wildeman (se aparreie não que vai ter post sobre ele).

Detalhe 01: já não fossem as cervas bastante relevantes, o garcon ainda perguntou se gostaríamos de prová-las “resfriadas” ou em temperature ambiente. Como já era noite e a temperatura lá fora estava por volta dos 4oC, adivinha o que escolhi?

Detalhe 02: como acompanhamento “de grátis”, tabletes de chocolate amargo. Precisa explicar mais?

 

 

Fullers Imperial Stout

Estilo: Russian Imperial Stout (10% ABV, 90 IBU)

País: Inglaterra

Uma obra de arte. Caixa, garrafa, rótulo e, obviamente, o líquido – todos impecáveis. Só pra finalizar o romantismo deste post em grande estilo, esta cerva leva pétalas de rosas na receita. Mas não se engane: apesar de ser extremamente sedosa e equilibrada, trata-se de uma Russian Imperial Stout com 10% de ABV. Cuidado…

 

Gouden Carolus Indulgence

Estilo: Belgian Strong Ale (11,7% ABV, 15 IBU)

País: Bélgica

Confesso: no momento da compra (nov/2015), esta cerva tinha acabado de ser lançada. A única coisa que eu sabia era que se tratava de alguma danação da Gouden Carolus. Levei muito mais pela beleza da garrafa. Quanta ignorância a minha… Depois de algumas pesquisas na web, a ficha caiu. Esperei a véspera do Natal e pronto:

entendi o porquê da “indulgência”.

 

 

Jopen Smoked Imperial Milk Stout

Estilo: Imperial Stout (11% ABV)

País: Holanda

Provada On Tap (na “tornêra”, mesmo), também no In de Wildeman (Amsterdam). Talvez uma das cervas com mais palavras pra descrever seu nome/estilo que já bebi. A sensação também precisa de muitos adjetivos pra ser explicada: defumada, alcoólica, viscosa, torrada... só coisa boa. Pena que não encontrei uma garrafinha pra trazer na mala.

 

 

Hofbräu Original

Estilo: Munich Helles (5,1% ABV)

País: Alemanha

Você tá em casa “diboas”, por volta das 11h30 de um sábado tão quente quanto o quartinho do fundo da casa do Capeta, aí lembra que esta cerva está estrategicamente posicionada em frente à saída de ar daquele cantinho especial da geladeira… Resumo: foram os 500ml mais refrescantes do ano.

 

 

To Ol Black Malts & Body Salts Black Coffee IPA

Estilo: Black IPA (9,9% ABV, 120 IBU)

País: Dinamarca

Provavelmente a melhor Black IPA que provei até hoje. Café, chocolate amargo e lúpulo numa potência e equilíbrio  indescritíveis.

Resultado: nota 100 no RateBeer.

 

Westvleteren 12

Estilo: Trapista/Belgian Quadrupel  (10,2% ABV)

País: Bélgica

Se provar esta cerva tão cultuada já é um privilégio, imagine então prová-la na Bélgica, num bar que existe desde 1695, chamado Au Bon Vieux Temps, com uma decoração pra lá de mediaval e frequentado basicamente por locais.  A riqueza da experiência é tamanha que vai precisar de dois outros posts (um pra cerva e outro pro bar) pra ser contada. Pode aguardar que todos os detalhes serão postados no momento certo.

 



Comentários

Edi Filho - 13/04/2016

Difícil decifrar o estilo de cerveja que você mais gosta né? Domínio da Imperial Stout!!


Manu - 08/04/2016

Provei uma das dez mais apreciadas ! Hofbräu Original muito boa !


Envie seus comentários

Imagem de Segurança

Página Principal Sobre Contato

Todos os direitos reservados @cervanossadecadadia

Rolar para cima